Páginas

domingo, 21 de novembro de 2010

VIDA E MORTE EM UM NINHAL DE GARÇAS NO CAMPUS DA UFLA.

Garça-branca-grande (Ardea alba). Foto: Kassius Santos

Para grande parte das espécies de aves, a primavera assinala a chegada do período reprodutivo. É quando se tem uma maior disponibilidade de recursos para construção dos ninhos e de alimento para criar os filhotes.

No campus da Universidade Federal de Lavras a chegada da primavera é evidenciada pelas revoadas de garças que cruzam os céus carregando gravetos, empenhadas na construção de seus ninhos. Pelo menos quatro espécies de garças constroem seus ninhos nos bambuzais, Sangras d’água (Croton spe outras árvores de pequeno e médio porte distribuídas em uma faixa ao longo de um brejo próximo à área da piscicultura. As Garças-brancas-grandes (Ardea albautilizam os pinheiros mais altos, formando uma colônia separada das demais espécies. Elas chegam um pouco mais cedo que as outras três espécies, normalmente no final de agosto, sendo a primeira espécie a iniciar os trabalhos de construção dos ninhos. A espécie mais numerosa é a Garça-vaqueira (Bubulcus ibis), dividindo espaço lado a lado com a Garça-branca-pequena (Egretta thulae com a Garça-noturna ou Savacu (Nycticorax nycticorax). 
Garça-branca-pequena (Egretta thula) e filhote. Foto: Kassius Santos

As Garças-vaqueiras (Bubulcus ibis) são a espécie predominante. Foto: Kassius Santos

Os ninhos, construídos muito rudimentarmente com gravetos apanhados nas proximidades do ninhal, se amontoam nos galhos das árvores e nos bambuzais. Alguns casais levam folhas e ramos verdes para os ninhos, talvez para refrescar o calor ou para repelir parasitas. Nos ninhos centenas de pequenos bicos alardeiam a chegada dos pais trazendo o alimento de tempos em tempos, enquanto os adultos se bicam e se “acotovelam” nos galhos, vocalizando muito, tentando afugentar um vizinho mais abusado que se atreve a roubar-lhes um graveto do ninho. As Garças-brancas-grandes, as pequenas e a Garça-noturna buscam alimento para seus filhotes, principalmente peixes e anfíbios, nas lagoas, rios, represas e brejos próximos. Já a Garça-vaqueira, embora também possa ser encontrada próxima a áreas alagadas, prefere as pastagens, onde os bandos são comumente vistos andando junto com o gado - e isso não é por acaso... Durante seus deslocamentos através do capim, o gado afugenta gafanhotos e outros insetos, alimento principal dessa espécie de garça. 
Ninho recoberto com folhas verdes. Foto: Kassius Santos

Quando já não há mais forquilhas nos galhos das árvores, o jeito é construir o ninho pendurado nos cipós...



Ninho de Garça-vaqueira (Bubulcus ibis). Foto: Kassius Santos

Todo o chão abaixo do ninhal é recoberto por uma camada grossa de fezes e detritos (cascas de ovos, filhotes mortos, restos de alimentos que caem do ninho). O acúmulo de matéria orgânica em decomposição é tão grande que muitas vezes a vegetação rasteira não sobrevive.


Casal de Savacus (Nycticorax nycticorax). Foto: Kassius Santos
Garça-branca-pequena (Egretta thula). Foto: Kassius Santos
Garça-vaqueira (Bubulcus ibis) Foto: Kassius Santos

O ninhal é um grande berçário, e como tal nos faz pensar em vida. Porém nem tudo são flores, a morte ronda a todo instante. As novas garças já correm riscos antes mesmo de nascerem. Durante a incubação, muitos ovos podem cair no chão, devido ao constante empurra-empurra dos vizinhos. Vencida essa etapa, as ameaças continuam, dessa vez dentro do próprio berço. Se a ninhada é de dois ou mais filhotes (normalmente vai de 1 a 3), estes se envolvem em uma disputa ferrenha pelo alimento que os pais lhes trazem. O que nasce primeiro geralmente leva vantagem e por ser mais forte acaba expulsando do ninho seus irmãos mais fracos. É a seleção natural, que privilegia o mais forte e mais apto, e no caso das garças começa ainda no ninho. Uma vez caído no chão, a morte do filhote é praticamente certa. Ali ele está entregue a própria sorte. Enfraquecidos pela falta de alimento e jovens demais para voar, os filhotes caídos são vítimas fáceis de predadores como lagartos, gatos, gambás e principalmente dos Caracarás (Caracara plancus).  Estes últimos ficam à espreita nas árvores vizinhas ao ninhal, aguardando o momento certo para atacar um filhote caído ou mesmo para arrebatar um filhote ou ovo de um dos ninhos. Embora o Caracará seja um dos principais predadores dos ninhais, outras espécies de gaviões como o de Cauda-branca (Buteo albicaudatuse o Gavião-caboclo (Heterospizias meridionalis), além de corujas, como o Jacurutu (Bubo virginianus), também representam uma ameaça real ao ninhal. 
Filhote caído no chão do ninhal, provavelmente expulso por um dos irmãos. Foto: Kassius Santos
Como se tudo isso não bastasse, o perigo pode estar onde menos se espera. A garça-noturna ou Savacu, espécie que nidifica lado a lado com as Garças-vaqueiras e Garças-brancas-pequenas, algumas vezes se converte em predador de filhotes das outras garças. A outras espécies parecem não reconhecer o Savacu como inimigo, permitindo que construam seus ninhos próximos aos seus. Maiores e mais fortes, os Savacus aproveitam a distração dos pais e arrebatam um dos filhotes das outras garças, que provavelmente servirá de alimento para seus próprios filhotes.
Savacu (Nycticorax nycticorax) devorando um filhote de garça-vaqueira. Fotos: Kassius Santos
Mesmo os indivíduos adultos não estão fora de perigo. As constantes disputas pelo melhor local para fazer o ninho (geralmente nos galhos mais centrais, pois os da borda ficam mais suscetíveis aos predadores), também podem acabar com um dos contendores morto. É possível observar garças adultas mortas, penduradas de cabeça para baixo nos galhos próximos ao ninho.

.

6 comentários:

  1. Kassius, seu blog está ótimo, parabéns! Adorei as fotos das aves, principalmente a sequência da Savacu comendo o filhote de garça! A procura por alimentos próximos justifica a grande quantidade de garças na árvore da UFLA.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela aula. Vem aqui entender porque o Savacu come a garça-vaqueira, como disse vc mesmo são vizinhos de ninhos. Tem uma sequencia de fotos assim:
    http://www.flickr.com/photos/ritabarreto/sets/72157603923853948/detail/?page=5

    ResponderExcluir
  3. Ana e Rita, obrigado pelos comentários.

    ResponderExcluir
  4. Uai sô, belas fotos Kassius, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Um show Kassius, maravilha de aula, somente a natureza mesmo.

    ResponderExcluir